terça-feira, 28 de dezembro de 2010


O que verdadeiramente somos é aquilo que o impossível cria em nós.



Clarice Lispector


Não exija dos outros as qualidades que você ainda não possui.




Chico Xavier

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Moda


Quem vê só a parte estética conseqüentemente não prioriza o ideal, mas apenas o perfil de se vestir de um ideal. Limita-se apenas a ver se a carcaça cai bem ou mal na sua estrutura de manequim. Punk não é só visual. Visual não é neçessariamente uma atitude de pessoas com personalidade forte ou com espírito idealista. Mas na maioria das vezes, de pessoas sem a tão estimada e suposta personalidade, e sem sequer uma noção básica de análise critica social. E sendo assim, os punks são uma atitude modista e não idealista, que dizer na maioria dos casos, pois o que faz realmente a diferença de um para o outro, o que distingui de uma pessoa com personalidade e outra sem é de não querer ser igual ao outro, mas sim ser quem você realmente é, um ser humano com vontades e desejos, assim com todos os outros mais acima disto ter personalidade como poucos. O movimento punk preza por um ideal, mais os seus seguidores não fazem jus a causa.

Flávio Roberto Sobral Delgado

domingo, 19 de dezembro de 2010

O Natal não é uma data... É um estado da mente (Mary Ellen Chase)

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Para conhecermos os amigos é necessário passar pelo sucesso e pela desgraça. No sucesso, verificamos a quantidade e, na desgraça, a qualidade.


Confúcio

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Veja ao vivo, sinta, cheire, toque, presencie, permita -se hoje, estar presente no presente para quer não fiques a mercê de uma constante ausência de ti mesma (o), e dos seus momentos, a serem compartilhados com um outro alguém.

Flávio Roberto Sobral Degado

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

'Eu gosto dos que tem fome, dos que morrem de vontade, dos que secam de desejo, dos que ardem...'

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim.


Chico Xavier

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010


Origem

Freddy Krueger, filho bastardo de uma jovem bonita e esquizofrênica que morreu solitária na agonia do parto, é fruto de um estupro coletivo ocorrido num velho manicômio da Rua Elm. Durante toda a sua vida, ele foi capaz de se lembrar dos gritos de sua mãe . Alguns anos depois, Freddy foi adotado por um velho alcoviteiro que viu utilidade no menino como atração de bêbados curiosos na pequena e imunda rua, repleta de prostitutas e drogados. O jovem apanhava constantemente do pai, que o tratava como um nada, tirando sangue e deixando-o cheio de marcas roxas pelo corpo. Após uma surra, em que quase foi morto, o jovem achou dinheiro escondido pelo alcoviteiro e decidiu contratar um incendiário profissional para queimar a casa dele, enquanto o velho dormia calmamente no andar de cima.

Freddy nunca tentou descobrir se o seu pai adotivo sobreviveu ao incêndio. Sem nenhuma habilidade ou aptidão, o rapaz rumou por várias cidades fazendo trabalhos sujos e tendo dificuldade com a polícia. Começou a beber pesadamente e passava suas noites num canal. Certa vez, estava dormindo em uma pequena rua perto de uma escola, quando um grupo de meninos decidiu tentar roubá-lo. Freddy despertou de súbito e bateu a cabeça contra a cabeça de um deles e outros fugiram desesperados. Enquanto os meninos fugiam, Freddy observou o menino sangrando próximo a ele e então pensou: "Eles têm medo de mim." O fato causou um certo divertimento no rapaz, como se uma forte sensação de poder tomasse conta de seu corpo. O menino machucado foi carregado por Freddy até um porão, onde o rapaz estudou-o por muito tempo. "Crianças são inúteis!", repetiu a frase dita constantemente pelo seu pai adotivo. "Crianças ficam muito melhores mortas!".

Freddy rasgou a roupa do menino e passou a observar a barriga branca e lisa dele por um momento. Então, recordando a fuga dos outros quatro meninos, Freddy fez quatro incisões fundas na carne do garoto. Era o triunfo! Ele queria sentir aquela sensação sempre! Continuou sendo nômade até chegar à cidade de Springwood. Havia algo nessa cidade que imediatamente o irritou. Todo mundo era organizado. As ruas eram limpas e as árvores bem podadas. O povo era feliz. Então, Freddy decidiu ensinar algo aos moradores daquele local: o verdadeiro significado da palavra dor. Para isso, arranjou emprego numa caldeira. O trabalho era bastante fácil e deixou Freddy com tempo suficiente para se dedicar a sua verdadeira vocação. Passou momentos de satisfação construindo uma luva[1] que continha lâminas afiadas nas pontas. Depois de alguns ajustes, chegou o momento de testá-la.

No dia seguinte, vestiu um suéter vermelho e verde e foi para a porta de uma escola. Ele sentiu seus músculo se enrijecerem de tamanha emoção, quando o sino da escola soou. Por um pequeno momento, Freddy pensou em ter uma vida normal - amigos de escola, professores e jogos inocentes de infância. Pensou que talvez fosse errado interferir no desenvolvimento normal de uma criança, cortando seus membros. Mas quando ele viu as crianças abraçando seus pais, percebeu o que realmente tinha que fazer.

Freddy avistou uma menina solitária, enquanto aguardava a chegada de seus pais. Talvez a mãe dela esteja presa no trânsito ou uma fila longa no supermercado a tenha impedido de chegar no horário. Não importa. Ele viu, refletido pela luz solar, a pequena lancheira da menina e notou que havia uma palavra escrita nela: Amy. "Amy?", ele sussurou, mas a menina não parecia ouvir. "Amy", repetiu um pouco mais alto. A linda menina olhou com seus grandes olho cor de laranja. "Venha aqui", disse ele, acenando com a mão esquerda. Ela procurou sua mãe por toda a extensão da rua e não a viu. "Venha aqui.", ele repetiu. A menina vacilou por um momento e então pisou na rua. "Quem é você?" , perguntou a menina de forma doce. "Tio Freddy", ele respondeu e continuou "Sua mãe pediu que eu viesse te buscar." A menina tremeu o corpo todo e disse: "Eu não tenho um tio chamado Freddy!" "Agora você tem", ele disse e cobriu a boca da menina com a mão esquerda, enquanto a direita rasgou a barriguinha da menina com as lãminas da luva. Freddy sentiu alegria por fazê-la sangrar. Como era fácil e divertido matar! Ele carregou o corpo ensangüentado da menina até seu furgão, sentindo-se vivo como nunca. O corpo da menina foi escondido no interior da caldeira, onde ele trabalhava. A vida agora para Freddy tinha significado.

Freddy iniciou uma jornada de sangue e horror, raptando crianças e fazendo o mesmo que fez com a pequena Amy. Os métodos variavam, mas o resultado era sempre o mesmo. Ele adorava ver os anúncios de crianças desaparecidas no jornal local, mas queria que as pessoas soubessem que as crianças estavam mortas.

As pistas deixadas pelo assassino fizeram com que o tenente Thompsons encontrasse os corpos das crianças já em estado de putrefação. Freddy foi preso e o povo da cidade agora sabia quem era o responsável pela matança. O defensor público que dirigiu o caso estava bem preparado e descobriu que havia um erro na prisão do suposto assassino. As provas não eram suficientes para incriminá-lo e assim Freddy foi libertado. Então, o assassino percebeu que era o momento de se mudar. Há outras cidades e outras crianças no mundo, por que ficar só em Springwood? Freddy jurou que não seria fácil pegá-lo novamente. Porém, nesse mesmo dia, durante a noite, ele ouviu os gritos do povo. Os moradores furiosos, conduzidos pelo tenente Thompson e sua esposa Marge, haviam decidido se vingar do cruel assassino. Os Thompsons e os vizinhos da rua Elm colocaram gasolina no local onde Freddy passava suas noites e colocaram fogo. Nenhuma outra criança seria aterrorizada por Freddy Krueger. O público vibrou ao vê-lo em chamas, jurando vingança. Com um último grito, Freddy correu em direção às chamas e desapareceu. O corpo nunca foi achado.

"Eu acredito que nunca mais ouviremos falar de Freddy Krueger", disse Marge Thompson, respirando aliviadamente enquanto examinava a luva do assassino. Entretanto, Marge estava errada. Freddy iria regressar.....para o pesadelo recomeçar.

Vila velha ES 100% Aribiri

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Freddy Krueger

Quando chegamos a fase adulta refletimos e interagimos todo arquivo psicossomático, que foi arquivado na nossa psiquê durante a infância que é frágil, na absorção de informações. Assim, como uma esponja que suga quase que espontaneamente tanto uma gota de água quanto uma de veneno.

Flávio Roberto Sobral Delgado

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Documentário mostra gêmeo criado como menina após perder pênis


Bruce Reimer teve órgão queimado em circuncisão, passou infância como Brenda e retornou ao seu gênero na adolescência.

Da BBC


O drama de um menino canadense criado como menina após perder o pênis em um acidente durante um procedimento de circuncisão nos anos 1960 é o tema de um programa transmitido nesta semana pelo Serviço Mundial da BBC.
Os gêmeos Bruce e Brian Reimer nasceram como meninos perfeitos, mas após sete meses, começaram a apresentar dificuldades para urinar.
Sob orientação médica, os pais, Janet e Ron, levaram os dois a um hospital para serem circuncidados. Na manhã seguinte, eles receberam uma ligação telefônica devastadora - Bruce tinha sido envolvido em um acidente.

Os médicos usaram uma agulha cauterizadora em vez de um bisturi. O equipamento elétrico apresentou problemas, e a elevação súbita da corrente elétrica queimou completamente o pênis de Bruce.

A operação de Brian foi cancelada, e o casal levou os gêmeos de volta para casa.

Psicólogo

Vários meses se passaram, e eles não tinham ideia do que fazer, até que um dia encontraram um homem que mudaria suas vidas e as vidas de seus filhos para sempre.
John Money era um psicólogo especializado em mudança de sexo. Ele acreditava que não era tanto a biologia que determinava se somos homens ou mulheres, mas a maneira como somos criados.
'Estávamos assistindo a TV', lembra Janet. 'O doutor Money estava lá, muito carismático, e parecia muito inteligente e muito confiante no que estava falando.'
Janet escreveu para Money, e, poucas semanas depois, ela levou Bruce para vê-lo em Baltimore, nos Estados Unidos.
Para o psicólogo, o caso representava uma experiência ideal. Ali estava uma criança a qual ele acreditava que poderia ser criada como sendo do sexo oposto e que trazia até mesmo seu grupo de controle com ele - um gêmeo idêntico.
Se funcionasse, a experiência daria uma evidência irrefutável de que a criação pode se sobrepor à biologia, e Money genuinamente acreditava que Bruce tinha uma chance melhor de levar uma vida feliz como mulher do que como um homem sem pênis.
Então, quando Bruce tinha 17 meses de idade, se transformou em Brenda. Quatro meses depois, no dia 3 de julho de 1967, o primeiro passo cirúrgico para a mudança foi tomado, com a castração.
Segredo

Money enfatizou que, se quisessem garantir que a mudança de sexo funcionasse, os pais nunca deveriam contar a Brenda ou ao seu irmão gêmeo que ela havia nascido como menino.
A partir de então, eles passaram a ter uma filha, e todos os anos eles visitavam Money para acompanhar o progresso dos gêmeos, no que se tornou conhecido como o 'caso John/Joan'. A identidade de Brenda foi mantida em segredo.
'A mãe afirmou que sua filha era muito mais arrumada do que seu irmão e, em contraste com ele, não gostava de ficar suja', registrou Money em uma das primeiras consultas.
Mas, em contraste, ele também observou: 'A menina tinha muitos traços de menina moleque, como uma energia física abundante, um alto nível de atividade, teimosia e era frequentemente a figura dominante num grupo de meninas'.
Em 1975, as crianças tinham 9 anos, e Money publicou um artigo detalhando suas observações. A experiência, segundo ele, tinha sido um sucesso total.
'Ninguém mais sabe que ela é a criança cujo caso eles leram nos noticiários na época do acidente', afirmou.
'O comportamento dela é tão normalmente o de uma garotinha ativa e tão claramente diferente, por comparação, do comportamento de menino de seu irmão gêmeo, que não dá margem para as conjecturas de outros.'

Suicida

No entanto, na época em que Brenda chegou à puberdade, aos 13 anos, ela sentia impulsos suicidas.
'Eu podia ver que Brenda não era feliz como menina', lembrou Janet. 'Ela era muito rebelde. Ela era muito masculina e eu não conseguia convencê-la a fazer nada feminino. Brenda quase não tinha amigos enquanto crescia. Todos a ridicularizavam, a chamavam de mulher das cavernas. Ela era uma garota muito solitária.'
Ao observar a tristeza da filha, os pais de Brenda pararam com as consultas com John Money. Logo depois, eles fizeram algo que Money tinha pedido para que não fizessem: contaram a ela que Brenda tinha nascido como um menino.
Semanas depois, Brenda escolheu se transformar em David. Ele passou por uma cirurgia de reconstrução do pênis e até se casou. Ele não podia ter filhos, mas adorou ser o padrasto dos três filhos de sua esposa.
Mas, o que David não sabia era que seu caso tinha sido imortalizado como 'John/Joan', em artigos médicos e acadêmicos a respeito de mudança de sexo e que o 'sucesso' da teoria de Money estava afetando outros pacientes com problemas semelhantes aos deles.
'Ele não tinha como saber que seu caso tinha ido parar em uma ampla série de livros de teoria médica e psicológica e que estava estabelecendo os protocolos sobre como tratar hermafroditas e pessoas que tinham perdido o pênis', disse John Colapinto, um jornalista do The New York Times, que descobriu a história de David.
'Ele mal conseguia acreditar que (sua história) estava sendo divulgada por aí como um caso bem sucedido e que estava afetando outras pessoas como ele.'

Depressão

Quando passou dos 30 anos, David entrou em depressão. Ele perdeu o emprego e se separou da esposa.
Na primavera de 2002, seu irmão morreu devido a uma overdose de drogas.
Dois anos depois, no dia 4 de maio de 2004, quando David estava com 38 anos, os pais, Janet e Ron Reimer, receberam uma visita da polícia que os informou que seu filho tinha cometido suicídio.
'Eles pediram que nos sentássemos e falaram que tinham notícias ruins, que David estava morto. Eu apenas chorei', conta Janet.
Casos como o 'John/Joan', quando ocorre um acidente, são muito raros. Mas decisões ainda estão sendo tomadas sobre como criar uma criança, como menino ou menina, se ela sofre do que atualmente é conhecido como Distúrbio do Desenvolvimento Sexual.
'Agora temos equipes multidisciplinares, que funcionam bem, em todo o país, então a decisão será tomada por uma ampla série de profissionais', explicou Polly Carmichael, do Hospital Great Ormond Street, de Londres.
'Os pais ficarão muito mais envolvidos em termos do processo da tomada de decisão', acrescentou.
Carmichael afirma que, segundo sua experiência, estas decisões tem sido mais bem sucedidas para ajudar as crianças a levar uma vida feliz quando crescerem.
'Fico constantemente surpresa como, com apoio, estas crianças são capazes de enfrentar e lidar (com o problema)', disse.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Química


A alquimia da ingestão não digestiva, protéica, está na sede e vontade dada pela fuga. No desejo que numa situação de perigo cotidiana da nossa realidade se transforme num jogo de vídeo game. Numa suposta e oculta busca por controle. Como se de fora para dentro você pudesse manipular a si mesmo... Como alguém que não se sinta tranqüila se não estiver no controle do transporte que o locomove. A complexidade do cérebro está justamente neste ponto: de que forma acionar, sem dedilhar, cada ponto necessário para uma satisfação a ser alcançada? Para mim, um dos primeiros pontos para se chegar nessa resposta está na auto observância do cotidiano, pois o que definimos como cotidiano pode nos pregar grandes surpresas, como por exemplo, passar inúmeras vezes pela mesma rua e não perceber que do outro lado há um belo jardim. E com esse exemplo enxergar que, não é procurando refúgios que você terá abrigo, mas observando, com um pouco mais de atenção, você mesmo, e ao saber ouvir e sentir um abrigo já irá se formar e se estabelecer dentro de ti, o contemplando com uma satisfação de igualdade e adaptação que você jamais pensou que existiria, e que apenas estava adormecida. E como conseqüência do teu aprendizado, sentirás a vontade de transmitir o oculto da fortaleza existencial que há dentro de cada um de nós. E que a única forma de encontrar é ver, sentir e cheirar a diversidade da vida no surpreendente balé de um girassol.


Flávio Roberto Sobral Degado

domingo, 21 de novembro de 2010

A melhor maneira de prever o futuro é pensando no hoje, pois suas atitudes consigo e para com o próximo irá determinar o seu futuro.




Flávio R.S.D

sábado, 20 de novembro de 2010


Age como SE.
Age como SE fôssemos todos um. Começa a agir dessa forma amanhã.
Vê toda a gente como TU, apenas a passar um mau bocado.
Vê toda a gente como TU, a querer apenas uma oportunidade.
Vê toda a gente como TU, apenas a ter uma experiência diferente.
Experimenta. Amanhã vai e experimenta.
Vê toda a gente com novos olhos. Depois, começa a agir como "se houvesse o suficiente".
Se tivesses dinheiro "suficiente",
amor "suficiente",
tempo "suficiente",
o que farias de maneira diferente?
Partilharias mais aberta, livre e equitativamente?
Com certeza. Porém, da forma mais consciente possível, tanto na parte espiritual, como na psicológica e física, mostrando que os porquês da vida não devem ser banalizados para que todos sintam e vejam a transformação que cada pergunta bem formulada e assimilada pode ter. A si mesmo e ao próximo, quando lhe competir a responder ou perguntar, no momento que uma situação similar aconteça. Algo que acontece simultaneamente todos os dias: pessoas que preferem passar por cima de si mesmas para assumir a personalidade de um lugar, de um grupo, e isso é algo em comum em todas as faixas etárias. Esse foi apenas um exemplo entre tantos outros que estão bem ali escancarados para quem quiser ver. Entre os mais comuns; quem nunca brigou com o pai, mãe, namorada e assim sucessivamente. Nestas confusões do dia a dia sempre há um contexto em comum com todas as centenas de milhares de famílias espalhadas neste mundão do nosso Deus. Um dos motivos que faz com que você discuta com seu pai ou mãe em outra família já pode ter sido solucionado. Um exemplo mais comum de discussões entre pai e filho: a hora de voltar para casa. Tudo isso serve para nos mostrar que cada atitude, transformação, por mais simples que aparente, no fundo tem a eterna e genuína ação de nos mostrar o que há em comum em todos os humanos. Na eterna finalidade de unirmos em prol da evolução de si mesmos e ao ver e reconhecer como semelhante em carne, osso e espírito, não dando prioridade ao que vê, sem assimilar com contundência. Este é o aprendizado que nosso lar tem a nos oferecer. Por isso, quando eu escrevo, eu me vejo, e vejo em mim o que há em comum em ti e em todos os outros.


Flávio Roberto Sobral Delgado

sábado, 13 de novembro de 2010

©

Imagem hipnótica, alucinógena, na visão de um poeta a persuasão esta na unificação da ciência ( hipnose ) e no místico (alucinação) remete-se assim a personificação desta alquimia. Dividiu a aparição e sua camuflagem na sutil complexidade da sua simplicidade. Que é capaz de alucinar e hipnotizar qualquer Saara ao fervilhar.


Flávio Roberto Sobral Delgado

domingo, 31 de outubro de 2010


Seja impar nas suas atitudes, decisões, e par na conscientização pela igualdade, pois esta todos nós queremos. Flávio R.S.D

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Marina: o sonho de vê-la na presidência


Política+político é = a água e óleo. Queremos na política vinho no sangue, pois é provado ser benéfico a saúde e consentido pela sociedade. Religião e ciência numa só essência para governar, equalizando -se na equivalência de Chico Xavier +Harvey Milk que é = democracia na vivacidade no século 21 e um exemplo para um prospero milênio. Independente de partidos e crédulos, Marina deixou uma sede de enraizar, abarcar uma nova forma de fazer política. Decrescendo da constituição de uma folha de papel, para dezenove milhões de mudas a serem ativadas na consolidação indireta do seu ideal. Tentando manter-se ímpar na imparcialidade do seu partido, no respaldo para admissão do próximo presidente. A germinação vira, e um dia Marina presenciará o quanto frutífero ela foi ao se diferenciar no olhar de cada individuo e partido, ao se visualizar refletindo-se em cada semblante. A concretização do sonho foi adiada, mas jamais será esquecida ou calada, ficará resguardada na beleza de uma orquídea e na importância de uma gota de água.

Flávio Roberto Sobral Delgado

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Transição

Como reclama da vida, passou toda sua vida a reclamar. Reclama, reclama, reclama. Até que no término da sua vida, parou e começou a se auto questionar, e durante este percurso, outro rumo ele resolveu dar, assim que começou a se auto questionar. Sem perceber que estava rumo ao encontro de si mesmo, para e ergue os braços sem saber a onde está. Até que a verdade, imutável, aparece, o contemplando em estado de êxtase com a imutabilidade de uma verdade, fato, que toda sua vida de reclamações passou num flash de um segundo. E quanto a sua certeza, reprisou milhares de vezes num flash de um minuto. Num outro percurso que iniciará uma vantagem ele já terá.


Interpretação do videoclipe, Rabbit in your headlight by UNKLE por Flávio Roberto Sobral Delgado

domingo, 12 de setembro de 2010

Tapando o Sol com a peneira


Não tema por si e nem pelo que virá
Mas tema pela consciência daquilo que está fazendo, mesmo sabendo que está errado
O errado, e aparentemente interminável, não é o tempo, em que esta sendo notório, em tempos de dificuldades
E sim aplicar em seu tempo os fatos de outrora continuamente, já identificados como não condizentes com sua personalidade, e constituindo assim, na sua própria psique, a violação e conseqüentemente degradação do seu próprio ser
Seja conscientemente, decisivo no controle do seu ser
Tenha o controle de si mesmo
E se assim não for
Terminará por ser desapropriado
Perdendo o controle do seu ser
Pois é isso que acontece quando você vai de contra as suas próprias definições de ética, sabedoria e benevolência
Espiritualmente, mentalmente e físicamente.

Flávio Roberto Sobral Delgado

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Vitória



Aprovo, reprovo,suporto
Suporto ser aprovado quando inativo ao reprovado
Quando não inativo ao reprovado
Não me faço de rogado
Pois luto com a credibilidade e confiança da qual resgatei em meu eu
Independente da aprovação ou reprovação de quaisquer que sejam as eventualidades e pessoas. A favor ou contra os fatos
Seja por uma deficiência auditiva,
Tetraplégica ou visual
Luto por um direito constitucional de ir e vir
Sem ter que me redimir por quem sou
Sem me alto invalidar,limitar
Para minha pessoa isso basta
Pois se assim eu agisse, quem haveria de conseguir me ajudar
Se assim eu não o quisesse!?
Mesmo que a nada eu competisse
A nado permaneceria a competir, comigo mesmo
Como pessoa, cidadão, pai, marido e filho
Pela busca da superação contínua na humanização do meu ser.


Flávio Roberto Sobral Delgado

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Concretização da democracia



Comunicativo, ativo sou
Sou um ativista
Sem sensacionalismos
Ativista na comunicativa social
Para um sucessivo socialismo na prática diária, contínua
Sociologicamente na emancipação do pensar
Para um racional amadurecimento e, conseqüentemente, obter uma lógica condizente, aplicável aos direitos de todos ao serem efetivados
Implantando igualdade na sociedade para todos, de uma forma mais ativa , incisiva
Com fins analíticos e não alienados, paliativos ao demasiado suicídio em escala trêmula da psique social
Para que não mais haja anistia
Mas sim igualdade socialista
Vamos tirar a democracia do papel e solidificá-la
Com pilares cada vez mais realistas, concretos, preto no branco
Inspirados nos grandes idealistas da nossa história.


Flávio Roberto Sobral Delgado

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Ciclo contínuo da primavera


Tia Vera ama a primavera
Vera não vê a hora de se encontrar em déjà vu em períodos de primavera
Primavera sempre rejuvenesce os seus reflexivos semblantes ao deleitar-se numa aquarela
cheia de vida igual a ela
Ela mais vida é igual a uma aquarela
Já dizia ela: uma vida sem primavera é igual uma tela sem aquarela.


Flávio Roberto Sobral Delgado

domingo, 29 de agosto de 2010

Cárcere privado


Caio calado com a boca perto do ralo
Ralo calado sem ruído de rato
Ralo o ombro sem identificar
Aonde as cravas incrustavam-se para um pretérito ombro ralado
Ombro ralado
Aonde ralei meu ombro que tanto incomoda?
Incômodo fiquei, quando calado permaneci, quando a dor que senti está aonde eu nuca me vi, chegar nem partir
Obsoleto me senti
Como um objeto me senti
De olhos vendados permaneci
Privado a luz, ao ar e a tudo que ninguém poderia me dar
Mas só eu mesmo
Vida, a minha vida
Da qual fui encarcerado, privado.


Flávio Roberto Sobral Delgado

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Manicômio


O sábio assobia
Sem saber que sabia assobiar
O sábio sopro do cantarolar
Cantarolo aqui e lá
Da mesma forma que faço em todo amanhecer que passo no meu lar
Não posso voar, mais imaginar ao cantarolar
Sem ceroulas e carolas meu passarinho fica solto no nebuloso gozo do tempo sem paredes, grades e sofrimentos
Pois sou um louco a solta numa floresta de pedras asfixiantes.


Flávio Roberto Sobral Delgado

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Obscenidade da reflexão Social

Tenho o senso de um obsceno No censo sou estatística Na estatística sou decrescente Sou o mínimo no máximo do múltiplo comum social E aceno para ti o assento No centro do meu censurado epicentro Suburbano, fissurado epicentro, censurado, calado!! Largado na trincheira, maltrapilho e fétido Acenei para que sentasse ao meu lado Agora imagine que tipo de obsceno eu seria Seria eu ou vós a obscena? É você que me vê e fingi não ver Para não encarar a realidade de uma suposta democracia Agora bata no peito duas vezes e grite: viva a democracia!

Flávio Roberto Sobral Delgado

Emancipação


Eu ainda sou para ti o que eu era em uma outra era
Que você sabia quem eu era
Era, pois não sou mais quem tu era
Era essa que eu refletia quem tu eras.

Flávio Roberto Sobral Delgado

sábado, 21 de agosto de 2010

Jambi


Aqui de uma vista para as montanhas dos reis,
Aqui de onde um sonho selvagem se tornou real,
Festejando como um sultão, eu faço, em
Tesouros da carne, nunca poucos,


Mas eu teria desejado isso tudo se
Eu pensasse que ia perder você por apenas um dia.


O diabo e os seus tiveram-me.
Em amor com o lado negro que eu encontrei.
Umedecendo todo caminho abaixo.
Suba para meu pescoço, logo para afogar.
Mas você mudou isso tudo para mim.
Me levantou. Virou-me todo.


Mas eu teria desejado isso tudo...


Rezava como um mártir noite e dia.
Implorei como uma prostituta a noite toda.
Tentei o diabo com minha canção,
E consegui o que queria o tempo todo.


Mas eu teria desejado tudo isso...
Não há prêmio que eu poderia dominar ou
justificar doando meu centro assim,


Se eu não pudesse ter desejado isso tudo
Eu pensei que o amanhã te levaria embora.
Você, minha parte da mente
Meu tudo, meu centro, apenas tentando aguentar mais um dia.
Condene meus olhos se eles devessem comprometer o fulcro
(Se) quer e precisa me dividir como ou deveria ter partido


Brilhe para sempre, brilhe, sol benevolente
Brilhe sobre os quebrados, brilhe até o dois se tornar um.
Brilhe para sempre, brilhe, sol benevolente
Brilhe sobre os cortados, brilhe até o dois se tornar um.
Dividido, eu murcharei, Dividido eu murcharei.
Brilhe sobre os muitos, ilumine nosso caminho, sol benevolente


Respire em união, respire em união. respire em união.
Respire em união assim como um sobrevive a outro dia e estação.
Silencio, legião. guarde seu veneno, silêncio, legião.
Fique fora do meu caminho.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010


Os homens criaram um Deus casto,tirano e vingativo. Portanto, ao afirmar que nos tornamos fantoches de si mesmos, é verdadeiro ou falso? Quem não sabe a resposta é porque não assisti e nem muito menos lê jornal.

Flávio Roberto Sobral Delgado

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Capacité!!

Qual é a diferença entre o exercito e a igreja? E o que há de comum em ambos? As prostitutas são incapacitadas pela própria sociedade que é indiferente e hipócrita, pois até o direito de defesa lhes é negado em caso de violência. Os ricos, nas leis dos homens, estão acima do bem e do mal. Enquanto isso, as prostitutas e o resto da plebe se debate asfixiadamente em busca de um digerir oportuno da suposta nobreza. Que de nobre só na conta bancária. E no final do ano o natal troca de lugar com a realidade da nossa sociedade, invertendo os papéis, o natal torna-se real e os problemas sociais viram fictícios. Será que esta triste fábrica ilusória de desigualdade e descaso progredirá para mecânica de maiores edifícios imponentes, ao invés de lugares mais propícios para conjuntos habitacionais para o todo sem favorecimentos? Taka-tá de Ca Taka-tá de Lá. Até quando os governantes vão jogar com a sociedade nesse interminável jogo de raquetadas ?
Porque não as capacita?

Flávio Roberto Sobral Delgado



Taka-tá / vídeo de Tom- Zé

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Tic tac


O melhor amigo do ser humano é o tempo. Pois para tudo há seu tempo. A paciência é a virtude primordial, e que deve estar em comum com todas as outras.




Flávio Roberto Sobral Delgado

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Seja Reflexível


Não faça como os outros o que você não gostaria que fizessem com você. Pois a recíproca pode ser doce, mas se mal interagida, pode ter um retorno amargo. E como conseqüência enxergarás com uma límpida racionalidade, a hipocrisia ao tentar se camuflar nas entranhas da sua psiqué, e sendo sumariamente interceptada e interpretada. Favorecendo assim para uma melhor e mais ampla associação de causa e efeito do estado bruto para contínuo aprendizado ao sucessivo aperfeiçoamento, para um determinado grupo de pessoas. E ampliando deste grupo, essa felicidade do saber, ao orientá-los a transmitir a didática que absorverão, com todo esse entusiasmo na sua casa e em convívios interpessoais. Se reconhecer numa outra pessoa, nos primórdios do tempo não era nada surpreendente, pois todos tinham a reflexibilidade aflorada e sensitivamente exteriorizada, harmonizando-se ao ambiente e em prol de todos, sem distinções e recalques. Com uma notável e visível interação íntegra social.

Flávio Roberto Sobral Delgado

sábado, 7 de agosto de 2010

Firestarte The Prodigy




Incendiário
(Ei, ei, ei)
Eu sou iniciador de problemas
Vagabundo instigante
Eu sou o medo viciado
Um perigo ilustrado
(Ei, ei, ei)


Eu sou um incendiário
Maluco incendiário
(Ei, ei, ei)
Você é um incendiário
Maluco incendiário
(Ei, ei, ei)
Eu sou um incendiário
Maluco incendiário


Eu sou a vadia que você odiou
Sujo apaixonado
É, eu sou a dor que você provou
Sinta-se intoxicado
(Ei, ei, ei)


Eu sou um incendiário
Maluco incendiário
(Ei, ei, ei)
Você é um incendiário
Maluco incendiário
(Ei, ei, ei)


(Ei, ei, ei)
Eu me imponho
Meu detonador
É, eu sou o infectado
Maluco animador
(Ei, ei, ei)


Eu sou um incendiário
Maluco incendiário
(Ei, ei, ei)
Você é um incendiário
Maluco incendiário
(Ei, ei, ei)
Eu sou um incendiário
Maluco incendiário
Iniciador, iniciador...
(Ei, ei, ei)


(Ei, ei, ei)
(Ei, ei, ei)
(Ei, ei, ei)
(Ei, ei, ei)

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Carta para um amigo


Por nada meu querido.
Só para constar a sua própria pessoa o quanto eu gosto de você!! Sem piadinhas e sacanagens, pois é a pura verdade. Temos muito a conversar, mas te asseguro que os motivos da minha ausência não são ligados primeiramente a você, mas a mim mesmo. Em alguns momentos pensei em não procurar mais por você. Só que percebi que você por si só, mesmo que não tivesses nada, inclusive aonde morar, ainda assim eu o amaria e gostaria da mesma forma que hoje, sem tirar e nem por. Eu sempre soube disso, mas diante das atuais circunstâncias tive que me abrir para adentrar na minha própria pessoa e rever todos os momentos que passamos juntos, para só assim poder reafirmar os sentimentos já existente, que apenas estavam adormecidos. E desta forma, mostrei para meu eu que esta amizade que tenho por ti não é uma mera amizade, e sim, a concretização de um sonho de ter um irmão como sempre desejei durante a minha infância. São por esses motivos que não admito ambigüidade e falta de esclarecimentos a respeito de quaisquer que sejam as eventualidades e por mais pertinente que sejam . Para continuarmos juntos como sempre estivermos temos que assumir sumariamente este compromisso de fidelidade no companheirismo claramente imune a suspeitas de ambas as partes. Pois te digo de antemão que se falei algo a seu respeito quando não estavas presente nas nossas reuniões com Renata e Erika foi algo relacionado ao seu comportamento, para que beneficiasse a você e conseqüentemente a todos nós para um melhor convívio possível. (E começasse a reavaliar seus conceitos sobre o que é realmente importante para sua vida). Pois será que realmente vale a pena ter dez amigos só para a farra e nem um para contar verdadeiramente quando se precisa? Embora este amigo que você possa contar nas horas mais difíceis não almeje tanto a farra assim como os outros, você acha que ele merece menos respeito que os outros? Tente lembrar de tudo que lhe falei a respeito de certas atitudes suas, para que você comprove para sua própria pessoa que mesmo que você não admita por uma insegurança irracional ou qualquer que seja o motivo, nós somos incomparavelmente e irremediavelmente amigos sem precedentes na nossa auto vivencia separadamente. E descobrirás que para ser aceito em sociedade basta ser você. E que sendo assim não mais necessitarás de ser o reflexo da cobiça alheia. E com isso irás atrair para perto de ti pessoas que realmente te respeitem e te valorize pelo que você é, e não limitando- se apenas as gargalhadas e farras. Pois quem é amigo de verdade não encobre as dúvidas a respeito do outro, fala o que pensa, mais respeita, desabafa, ouvi e orienta e não se faz de rogado no primeiro sinal de imparcialidade, mas sempre coloca em foco um bom diálogo para reflexão, para que as sim atinja conseqüentemente o consenso benéfico e recíproco para ambas as partes no ciclo espiritual, mental e físico restabelecendo o equilíbrio para o contínuo e interminável aprendizado entre almas afins, amigas.

Flávio Roberto Sobral Delgado

terça-feira, 27 de julho de 2010




Nos tempos atuais os relacionamentos íntimos tornaram- se banais, tanto quanto os interpessoais! Interpessoalmente havia relacionamentos esporádicos de afeição recíproca. Entre vinte pessoas que constavam na sua lista telefônica, só cinco ou duas eram dignas de que você falasse a respeito de si. E hoje nas atuais situações em que (sobrevivemos), o que deveríamos fazer para apertar a mão um do outro, sem aquela suspeita repentina? Um simples aperto de mão descompromissado, a não ser pelo simples fato de saudar o próximo?! Pois o que vemos nos jornais já não nos deixa tão receptíveis quanto antes. Pais que abusam sexualmente das suas filhas e as matam. Esposas que vivem numa ditadura regida pelo machismo, curvando- se, aos mandos e desmandos dos seus senhores escravagistas. Se o convívio de vinte anos com uma pessoa não foi o suficiente para conhece –la, imagine o que dizer de uma semana ou um mês!? O agravante para tal demasiada convivência relacional esta escancarada nos tópicos subseqüentes: primeiro a obediência cega, segundo, tudo que esta em comum com a primeira, terceira a força da ação e atração. E então o que fazer? Só há duas alternativas: agir ou cruzar os braços e, conseqüentemente, ficar com a boca entre aberta ao ver aonde a sua omissão te levou. Faça a sua parte, não permita que tais pensamentos como: “Ah! eu não vou falar para não fazer o papel da chata ou ele (a) vai se afastar de mim”. Quem ama é consciente, conseqüente, e não mede esforços racionais para um afetivo laço de companheirismo mutuo e racionalmente benéfico para ambas as partes. Seja no trabalho, com amigos, mãe, pai, irmãos, esposa e filhos. Tenha sempre em suas reflexões que você colhe aquilo que planta. Pois tudo que colhe reflete um pouco de ti. E que se conhecer um pouco mais, nunca é demais.

Flávio Roberto Sobral Delgado

Sepultura-Territory (Tradução)


Um homem desconhecido
Fala para mundo
Sugando sua confiança
Uma armadilha em cada mundo


Guerra por território
Guerra por território


Controle de escolha
Atrás da propaganda
Informação pobre
Para administrar sua raiva


Guerra por território
Guerra por território


O discurso dos ditadores
Esmagando sua vida
Regra para matar o desejo
O discurso do imbecil mudo


Anos de luta
Ensinando meu filho
A crer naquele homem
Ser humano racista
Território racista viverá
Vergonha e pesar
Do orgulho
Que você ja possuiu


Guerra por território
Guerra por território

domingo, 18 de julho de 2010

inclinados à pureza, mas podem tornar-se vidrados pelo pecado, continuamente na observação da perversidade que espreita em seu interior


Resposta:
Se está na observação, então o perigo não se torna eminente. Mas. caso o mesmo ou a mesma não observasse cientemente a perversidade deles mesmos, e da qual todos nós temos dentro de si, e que a mesma nos ensina em muito a respeito do discernir entre o que é benéfico ou não...
E conseqüentemente nos diferencia de certas mentes predispostas a tais atos de perversidade e asquerosidade. Caso contrário, obviamente, não seriamos considerados racionais, e sim 100% instintivos, assim como os reptéis e outros mamíferos.
As únicas exceções são estas: deficientes mentais, sobrevivência e por fim, mas não menos importante, a psicopatia.
Sim e faltou mais um: o auto condicionamento por algum interesse impensado, inconseqüente.

Flávio Roberto Sobral Delgado

sábado, 17 de julho de 2010

Milk It (tradução) Nirvana Misture Isso


Sou meu próprio parasita
Não preciso de nada em que viver
Nos alimentamos um do outro
Podemos dividir nossas endorfinas

Filé de boneca, carne de teste

Veja!
O lado brilhante é o suicídio
Perdi minha vista, estou do seu lado
Asa esquerda de anjo, asa direita, asa quebrada
Falta de ferro e/ou de sono

Tenho meu próprio vírus de estimação
Eu chego a acariciá-lo e dei um nome a ele
Seu leite é minha merda
Minha merda é seu leite

Carne de teste, filé de boneca

Veja o lado bonito é o suicídio
Perdi minha vista, estou do seu lado
Asa esquerda de anjo, asa direita, asa quebrada
Falta de ferro e/ou de sono
Protetor de canil
ectoplasma
Ecto esqueleto
Aniversário de obituário
Seu cheiro ainda está aqui em meu lugar de recuperação

Atualize-se, seu retrógado



Competir é fundamentalmente importante para o auto amadurecimento. Mas nunca, nunca mesmo confunda amadurecimento com ejaculação precoce, ou pelos pubianos ou algo do gênero. Pois caso confunda, você corre o sério risco de chegar aos 70 anos e ter uma morte cerebral ao ser questionado por um menino de 7 anos a respeito do que é competir.



Flávio Roberto Sobral Delgado

sexta-feira, 16 de julho de 2010

O dobro de um babaca é o senhor Babaca Com Dobradinha


Babaca com Dobradinha tocou fogo nas madeiras, e não dando- se por satisfeito, jogou o colchão. E com aquela espuminha, para um tratamento de choque contra sinusite. Contra sinusite eu não posso confirmar a sua autenticidade, mas devolvendo para um babaca com dobradinha com certeza faz efeito. Até de comer ele mesmo esquece, devido ao medo de passar do ponto e queimar o próprio rabo.




Flávio Roberto Sobral Degado

terça-feira, 13 de julho de 2010

O mundo imaginário do doutor Parnassus



Não permita que as sombras te cubram ao pensar. Não permita que as sombras lhe encubram. Não encubra suas atitudes com as sombras. Não encubra as sombras que lhe atormentam. Não atormente com as suas sombras os supersticiosos moribundos. A mentalização em prol de uma solução esclarecerá e clarificará a visualização de uma fechadura, que só há uma única chave e que apenas você tem. A imaginação em auto reflexo conduzida cientemente pela sua vontade do ver, saber e não mais temer, ao se auto conhecer. Não mais apostando e brincando inconseqüentemente com sua própria vida e conseqüentemente não mais com a vida alheia.

Flávio Roberto Sobral Delgado



Interpretação do filme:

A moral do filme é mostrar que o doutor Parnassus, assim como tantas pessoas, e ás vezes até psicólogos, consegue captar a psiquê, informações, sobre o mundo em particular, de quaisquer que sejam as pessoas e dar soluções cabíveis, e outras até equivocadas. Enquanto o próprio Parnassus não conseguem associar ou enxergar com clareza os seus próprios conflitos psicológicos e conseqüentemente solucioná-los. E então o doutor Parnassus mostra a cada uma delas os prós e os contras das suas próprias fantasias ao entrarem no espelho; ferramenta que supostamente equalizaria as pessoas em si mesmas. O espelho é apenas uma convicção ferrenha que cada pessoa adquiriu antes de adentrar no suposto espelho mágico, pois as pessoas chegam a este estado da mente através do poder da sugestão ou por hipnose. Na finalidade de mostrar sucessivamente o mundo de cada pessoa em si mesma, com as suas diferenças, peculiaridades e às vezes o que há em comum de um com outro. No propósito de que cada uma delas reflita e enxergue algo que os transformem em pessoas melhores. Pois este é o grande poder do doutor, que foi posto a prova quando o próprio foi atentado por Lúcifer ao fazer uma aposta! Aposta, essa era a fraqueza de Parnassus, ele era um apostador incorrigível e com isso fez o seguinte acordo: Parnassus teria X almas nas mãos para fazer com que elas superassem as suas próprias limitações. Caso ele não conseguisse, Lúcifer as mandaria para o inferno. E isso acontecendo acarretaria que Paranassus, pagasse a dívida com a perda dos seus poderes e o mais grave o amor da sua filha. Pois Lúcifer apagou da memória da filha de Parnassus a sua existência, os separando definitivamente um do outro.

Flávio Roberto Sobral Delgado

Virtudes autônomas


Não apenas aparente, seja aquilo que aparentas. Não viva apenas de aparências. Se algo conduem suas tas incomoda o próximo, reavalie seus conceitos de boa vizinhança e caso chegue a um resultado honestamente avaliado de não obstrução social, ou seja de você não ser mais um ser manipulável apenas continue sendo você. E dê continuidade na propagação dessa virtude tão oculta, e que de tão ocultada quando enxergada é incompreendida e apedrejada.

Flávio Roberto Sobral Delgado

Metamorfose de Narciso


Sou ágio, suculento e suíço. Mágico, forte e roliço, sou Narciso de Canta Galo De galo na canja eu não necessito. Não preciso de canja de galo! Pois não dou canja para galo. E se ousarem me desmentir, chamo a galera do galinheiro 174. Já sou galante, eu gozo, gozam para mim e me fazem gozar, gozar de rir. Sou uma obra de arte, até num esboço sinuoso autêntico mais incompatível em qualquer bolso, bolsa e caderninho. Canto e nunca falho, até com bafo de alho eu ainda me agrado e dou um agrado com um bom hálito para uma platéia incomparável a nível de entusiasmo. Os reflexos dos meus fãs nas latrinas com aparência bem apanhada, são provindas de resquícios da minha presença, que cristalizou a falta que faz a minha presença nas suas vidas falhas e desprovidas de beleza , glamour e vitalidade. As anatômicas adquiriram a tonicidade e as formas perfeita graças aos meus tornozelos, regências de andares inexpressíveis e imensuravelmente indagáveis, pois sou Narciso De Canta Galo aquele que vocês jamais verão cantar em cima de qualquer galho. Mas sempre nos maiores palcos, com ampla ampliação dos seus olhos para que eu me veja no auge da seção de gala. Faz parte do meu show, eu sou a personificação ambulante da esculturalidade do dedilhar de Leonardo da Vinci sobre a criação do divino e completa semelhança limitando-se ao estético do próprio criador. Porque eu devo me preocupar com a beleza alheia? Se a minha cobre todas as doses diarias de colirio, para renovação dos meus semblantes ao me auto observar. E quanto aos outros, desperto o desejo fornicativo de amor e paixão pela minha nobre persona!



Flávio Roberto Sobral Delgado

Reflexão


Às vezes estar vivo não é o suficiente. Precisamos sentir para crer, para crer que estamos vivos precisamos de um propósito, e não apenas por um estar insignificante de movimentos mecânicos de braços e pernas. Os primatas com o mínimo de informação para ingerir , assimilar e digerir em forma de conhecimento para que fosse aplicado na prática, foram astutos na brincadeira de um bater de pedras instintivamente sem nenhum propósito de se sentirem vivos... Mas inconscientemente para permanecerem vivos. E nós quando batemos uma pedra na outra, somos tachados de loucos, ridículos ou simplesmente entediados.
Mas porque não usar outras denominações ou razões para essa repentina sonoridade de um bater copioso de pedras? Talvez, transe, alfa, para atingir o nirvana ou simplesmente para invocar os elementos que passaram pela pedra ao longo dos anos aos quais ali ela resistiu. Ou o elemento chave que lhe compete ser extraído quando entram em atrito exteriorizando assim as chamas da sabedoria que o levará rente a descoberta das suas angustiantes indagações mostrando se assim as respostas que devam ser identificadas, em uma sábia visão dos acontecimentos atuais na sua vida. Nunca duvide dos meios para se obter uma boa reflexão e transformação sejam elas espirituais, mentais ou físicas. A diferença de nós nos sentirmos vivos ou não pode estar numa simples resposta e na forma que é interpretada.
E a outra forma é dando ênfase a um sentimento já existente, para a revigoração do mesmo e em toda sua totalidade, como por exemplo, o amor compartilhado do seu eu com sua mãe, esposa e filhos.

Flávio Roberto Sobral Delgado

Sociedade vamos civilizar!


Como será lutar por emancipação para ser incluído socialmente? Muitos lutaram: judeus, negros, gays, lésbicas, soropositivos, deficientes físicos e mentais, idosos, artistas, filósofos e mulheres. Nesta odisséia de um paradoxo infame, vemos e ouvimos a exterioridade um do outro, ao qual nos limitamos a enxergar, cultuamos e exaltamos o superficial durante todo o percurso da nossa história. Já estereotipado pelas premissas, têmperas predispostas a intempestividades de expansão, propagadas por aqueles que supostamente iriam em busca de uma saída para melhoria de seus povos . Mas aos maquiavélicos proponho um brinde à inconseqüente sistemática do nosso ser, pois as mentiras mais descabidas tinham em sua posse para uso pessoal as penalizadas máscaras. As máscaras, por sua vez, só tinham os cabides que esporadicamente eram usufruídos. Pois quando retiradas, as máscaras, face suposta dos seus donos, os denominados intimamente por canastrões, elas necessitariam de uma boa e confortável engenhoca de recantos adaptais para sua suspensão e auto manutenção, provocada pelo relaxamento após cada atuação desprovida de motivos festivos e artísticos. Hitler foi um exemplo em escala maior de uma fatídica combinação de alterego com estupidez plásmica. Indagável por aqueles que brindaram em suma liberdade de concórdia para com a sistemática insanidade de um tirano impetuoso. Com uma quase inexpressível superficialidade recenseada para beira do abismo. Se não fosse os inúmeros cadáveres empilhados uns sobre os outros, por soldados feitos, manipulados e alienados para matar, formados pelos próprios progenitores que os enchiam de entusiasmo citando Hitler como um líder impecável, patriota e aniquilador dos supostos profanadores da raça caucasiana. E como resultado, centenas de milhares de pessoas, que nunca ergueram uma ofensiva, foram dizimados pelo simples fato de existirem. Os negros por sua vez também foram marcados pela escravidão, e que ainda hoje enfrentam, as intermináveis investidas camufladas para uma socialização pendente . Como intermediário a lei de cotas estabelecida pela soberania. Gays e lésbicas se contradizem, amam, traem e não estão imunes ao ciúmes e ao narcisismo. Se isso for ser anormal, vamos comemorar, pois este é o estado de espírito encontrado nas naturalidades focais em indeterminadas situações, sejam elas objetivas ou subjetivas nas afetividades conjugais e extraconjugais ao falarmos sobre as opções sexuais de cada individuo que não seja condizente com a suposta moral e os bons costumes, já desprovidas de nitidez e avidez em pleno século 21. Esses são os momentos anais da vida e o resto é só banana e manga. (Mas como em toda lei tem uma exceção; entre as mangas tem uma que é espada dentre tantas outras que não são. E entre as bananas tem uma que é “maçã”, a mãe de todas as frutas.) Do atrito entre dois gravetos se produz fogo. E quando um lábio encontra o outro a resposta vem ao sentirmos o aquecimento do corpo. E sendo assim presumo que não é de que forma acontece ou formato para que determinasse o desejo de um fruto pelo outro, e sim, a sua química protéica orgânica de aceitação para uma fluente digestão dos nutrientes emudecidos, encharcados pela insaciável sede da paixão e conseqüentemente, a vontade de moradia compartilhada e com a convivência uma eterna alquimia se procede na formação de um amor complementar por toda instância ao deleitar em suas graças e reciprocamente receber na mesma medida os gracejos de amor que com o tempo vão sendo aperfeiçoados. Um conto, um canto de dois pilares do nosso Rock nacional, que inspiravam e exalavam liberdade, autenticidade e oxigenação cerebral foram abraçados sutilmente e com a implacabilidade dá vírus fera do HIV. E com uma irremediável, mas momentânea, sensação de desamparo e horror, Cazuza e Renato Russo ergueram-se e revigoraram-se pelo amor a música e para imortalidade de uma nova concepção de sociedade em prol das idealizações políticas e da quebra dos paradigmas de como agir para ser aceito em sociedade.



Flávio Roberto Sobral Delgado

terça-feira, 29 de junho de 2010

Propagação do lirismo


A felicidade está no seu auto reconhecimento, que é adquirida na capacidade dada pelas tuas vivências ao longo dos anos de te surpreenderes com ti mesmo. Em resumo, de não olhares para teu eu como olhas enquanto te penteias em frente a um espelho. Pois quando ao te observares no espelho não te preocupas primeiro com tua auto satisfação, mas sempre de forma indireta. Sempre esperando a satisfação do próximo que o irá acompanhar. E que por desventura, se o acompanhante não aprovar as suas vestimentas, e como conseqüência, agir de forma ríspida, em quem você acha que o sentimento de insatisfação reinará? Com certeza, na alma e no peito daquele que sempre se preparou para os outros, mas nunca para se mesmo. Ser feliz é um estado de espírito e não apenas um sorriso estampado na cara, que de tão estampado já está amarelado. Ser feliz é ser autêntico; Autêntico é ser sincero em suas opiniões e atitudes; A atitude é a concretização da felicidade em palavras e gestos. Palavras e gestos numa conectividade sem precedentes na tua vida mostrando que o simples fato de estar aqui não é um simples estar, e nem muito menos por um despropósito. Por um despropósito não criasse uma peça teatral, mas no teatro o tema de uma peça pode ser sobre o despropósito e em suas inúmeras vertentes. As vertentes se propagam pela história de forma deprimente, se for inicialmente avaliar como exemplo o tema guerra e os menos favorecidos. Os menos favorecidos eram denominados plebeus, e com tempo se tornaram tão insignificantes aos olhos do governo, que até a denominação virou farinha, que foi espalhada pelo vento, e multiplicando-se assim como os polens espalhados pelo sopro da vida nas terras férteis, mais mal usufruídas pelos homens. (Toda ação provoca uma reação)
Provoque em você mesmo uma ação de felicidade igualitária faça a sua parte, no aperfeiçoamento da sua vida visualizando sempre a reciprocidade. Leia o livro que lhe foi indicado, mas que caso não lhe agrade, não persista em Ler, plante uma árvore se assim desejar e escreva um livro se assim lhe competir. Pois todas palavras e seus significados tem poder de um registro contraditório na formação de uma frase, e tudo isso em apenas um livro a (bíblia).
A religião - em que século, os religiosos irão se conscientizar que o mais importante não é quantos fiéis cada uma possui, mas sim o que há em comum em todas elas e conseqüentemente, que a ciência e a evolução da mesma são atribuídas pela evolução da espécie humana e da contribuição de outros seres, em estudos cada vez mais amplos e esclarecedores. Nunca esquecendo que as respostas primárias e sumariamente indispensáveis para nossa estadia nessa vida residem no estar do lírico analítico para luz da compreensão, e sua propagação pela mente dos iluminados e intuitivos do seu eu psíquico conquistada pela auto observância do seu próprio ser .

Flávio Roberto Sobral Delgado

Minha culpa somente minha


Se fizeste o mal para alguém e depois de feito o arrependimento te consome, é a prova mais que suficiente de que serás perdoado. Mas só quando aprenderes a si auto perdoar, e para teu próprio bem, alimente-se nessas horas com reflexões construtivas e não as destrutivas, pois de todas as vítimas o vitimista sempre será o primeiro a receber as resposta e último a saber que as tem . E é justamente por esse motivo que os vitimistas continuamente tem a sensação de que as vitimas se renovam em seu estado de espírito com mais freqüência, entre um tombo e outro, com uma nítida fluência. E da qual eles se” vêem” incapazes de atingir.




Flávio Roberto Sobral Delgado


Excentricidade do surrealismo




Alma na vertical, espírito na horizontal... De tal forma essa suposta descronissidade se aplica na minha cronológica psiquê da visualização do horizonte. Mas que de fato procede harmoniosamente coerente, ao eu olhar para meu eu. Esta visualização do horizonte é a exteriorização da personificação de que me observo de fato (é uma confirmação da qual eu há tanto tempo procurava de que eu realmente me propus a fazer auto-análise diariamente ). Não me limitando ao supérfluo da exterioridade de nada e nem de ninguém, mais confirmando que quando me olho busco, afundo nos recônditos da minha alma, a razão pelas minhas buscas e de que forma elas se originam, além do óbvio. Para que na minha auto observância e sucessiva ampliação de todos os meus sentidos se conectem numa propagativa circunferência de ação e reação impar, para uma personificação genuína e surreal de estar mais próximo de si. Que é simbolizado pelo horizonte e não apenas visualmente, e sim mais aprofundado no meu próprio além de ver e sentir. Mais que mesmo em si e com a mesma proposta, se eu for melancólico nesta hora minha alma irá pendulasse, e pousará freneticamente na horizontal e meu espírito ficará na vertical ... E havendo esta inversão, a única sensação será a impossibilidade da lembrança de tudo que eu vivi, vi e ouvi antes de subir na montanha a qual eu mesmo construí. E como conseqüência, meus momentos de sanidade ficarão cada vez mais escassos e tornando o ambiente cada vez mais propicio ao asfixiamento da razão e dando espaço para uma infrutífera árvore de reflexão, e que quando me dei “conta” mesmo preso por uma corda o meu horizonte só era de discórdia. Entre a realidade e o teatro de sombras um insano grito ecoava sonorizando Jerônimo. Meu coração petrifica momentaneamente, mais ao sentir essa sensação milimetricamente falando, rapidamente tenho lapsos para mais volátil e precisa busca para realidade que se desfazia rumo ao total esquecimento. Pois já viste alguém em pânico lembrar da sua própria proeza ao encontrar uma agulha no palheiro, ou de sair de um pesadelo quando o mesmo era real... Não se dando conta de que a corda não o aprisionava mais o libertava com um fio da espessura de um barbante esperançoso para um lapso de sanidade dá quele que mantia-si suspenso na mesma . Esse filamento de corda jamais romperia a não ser que o pendulado a cortasse. Não deixe que o desespero lhe consuma, mantenha-se energizado e seu estado de espírito lhe conduzirá a reflexão, como na visualização do seu horizonte, se tornando cada vez mais condizente com suas atitudes para com você mesmo e o próximo e nas suas buscas nessa longa estrada. Pois nunca troque o horizonte pela tenebrosa visão perpendicular de um abismo que seja desprovida de razão.





Flávio Roberto Sobral Delgado



Clube da luta


Oi eu sou o Jack!


Mas, por eu saber o meu nome, não há necessariamente uma resposta coerente para minha sucessiva auto definição. E você quem é? A única resposta válida nesse momento é que um dia eu fui um Jack, e a extensão disso, é uma contínua atividade formada por uma combinação frenética de ação e reação que nunca acaba. E que se eu tenho consciência disso, você também terá um dia. Essa é a eterna luta beneficial ao recusar-se a ser prosternado como uma pessoa com um chip no cérebro. Aprenda o que é avaliar, e depois veras que a auto crítica sincera vai ser a sua melhor companhia, pois irá manter -lhe acordado em quanto avalia as suas inúmeras concepções a respeito da razão e dos sentimentos. E conseqüentemente, presenciarás que num único núcleo, a razão e os sentimentos se auto complementam numa simbiose perfeita em que estão sempre juntas numa conectividade aonde lá você irá se encontrar. Esse será o seu maior presente, nessa longa caminhada. O auto reconhecimento ao reconhecer o seu amor próprio. O amor pela vida em toda sua abrangência e com os amores da sua vida, como esposa, filhos, mãe e companhia.



Flávio Roberto Sobral Delgado

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Narciso


Sou ágio, suculento e suíço Mágico, forte e roliço Sou Narciso de Canta Galo
de galo na canja eu não necessito

Não preciso de canja de galo, pois não dou canja para galo
E se ousarem me desmentir, chamo a galera do galinheiro 174
Já sou galante

Eu gozo, gozam para mim e me fazem gozar

Gozar de rir, sou uma obra de arte, até num esboço sinuoso autêntico mais incompatível em qualquer bolso, bolsa e caderninho

Canto e nunca falho

Até com bafo de alho eu ainda me agrado e dou um agrado com um bom hálito para uma platéia incomparável a nível de entusiasmo
Os reflexos dos meus fãs nas latrinas com aparência bem apanhada são provindas de resquícios da minha presença que cristalizou a falta que faz a minha presença nas suas vidas falhas e desprovidas de beleza , glamour e vitalidade. As anatômicas adquiriram a tonicidade e as formas perfeita graças aos meus tornozelos, regências de andares inexpressíveis e imensuravelmente indagáveis. Pois sou Narciso de Canta Galo, aquele que vocês jamais verão cantar em cima de qualquer galho, mas sempre nos maiores palcos, com ampla ampliação dos seus olhos para que eu me veja, no auge da seção de gala. Faz parte do meu show, eu sou o meu amor.



Flávio Roberto Sobral Delgado

Ao reconhecer-te


Quem julga o próximo erroneamente e de forma descarada são aqueles que observam, justo neste momento, a sua própria máscara sobreposta em sua face, desfalecendo e se espatifando no chão. Revelando que, quanto mais contraditório for uma pessoa, menos ela tentará transparecer. Mas, por toda via, não há necessariamente uma falta de conduta por traz de todas as contradições. Se queres uma história para avaliar se é verdadeira ou não, comece pelas tuas. E se queres julgar, seja boa o suficiente para citar como exemplo de seus erros e o que aprendes-te com eles. Mostre para seus progenitores que erro é o antecessor do aprendizado. E não ao contrário, como nós gostaríamos que fosse.


Os primeiros erros, em suas diversificadas situações durante sua vida, têm por toda instância como paradoxo o caminho longo e continuo do aprendizado e da constituição da sua própria personalidade. Mas se o erro for premeditado, o descontentamento será seu maior companheiro para o caminho da auto superação. Porém, há um longo caminho que todos nós percorremos até descobrir que nossos maiores adversários somos nós mesmos. E sendo assim, que se você tem algo a provar a respeito das tuas capacidades como pai, filho, marido ou amigo é a ti mesmo a que tens para aprovar ou não as suas condutas. O que há para exteriorizar e interiorizar consigo em suas convivências é a conectividade da complementação dos encaixes desse grande quebra -cabeça que é a vida e o respeito mútuo aos amores da sua vida e a todas as espécies de vida .




Flávio Roberto Sobral Delgado

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Hipócritas




Os senhores da verdade, na maioria das vezes, não sabem qual é a sua própria verdade. E é justamente por não saberem, que julgam erroneamente e inescrupulosamente, de forma taxativa e denominativa, mas” correta politicamente” e hipocritamente falando de pessoas mais pobres,que por descaso, compõem a maior parte da nossa sociedade.


Que dormem com um olho fechado e o outro aberto com o receio asfixiante do descaso das autoridades que deveriam ser responsáveis por cuidar destas pessoas . Mas que na verdade, se são responsáveis por algo, nessa vida, é por não fazerem o que falam, pois é só andar pelas ruas e verás garotos e garotas maltrapilhas, drogados e prostituídos . Este é o verdadeiro raio X da identidade dos nossos putrídos governantes. Se há alguém mais pobre de espírito que nossos governantes estes serão fabricados pelos mesmos . Já auto pré fabricados pelos escrotos de castanhola e expostos por bocas de lobos a céu aberto por causa dos desmandos e de obras superfaturadas pelos mesmos. A matriarca por sua vez durante o período de encubação diz:

- Quando vocês crescerem haverão de proporcionar muito orgulho ao seu pai!

O hipócrita complementa.

- Não só a mim, mas a sua mãe também, meus amados e queridos pródigos.

A matriarca replica.

- Você falou pródigo? Ahahahah!!!!!

- Meu querido ladrão de paletó, sou seu poço e esboço, mas não entregarei a saúde mental e moral de nossos filhos como troco pela minha omissão e submissão, a qual me dediquei e me submeti ao teu lado. Eu senti em minha auto reflexão que devo lhe suplicar para que permita que nossos frutos escolham entre uma face ou duas . Em troca de uma futura fidelidade conjugal em suas vidas e uma infidelidade nacional assim como a nossa, ou seja, uma garantia certa e tranqüila para nossa velhice. E sendo assim, todos já bem criados e bem encaminhados e depois de tantos anos de dedicação e de trabalho árduo ao qual lutamos para o desenvolvimento da nossa sociedade, possamos mudar para os emirados árabes.




Flávio Roberto Sobral Delgado

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Vida


Na meia noite de antes de ontem, senti que o amanhã era apenas uma idéia que não se concretizaria. No suposto dia que não se concretizaria quando o pêndulo do relógio bate copiosamente doze vezes, percebo que estou preso numa ampulheta . Presumindo-se assim que criei, não um mundo de fantasias, mas de expectativas, fazendo com que até bem pouco tempo atrás eu não vivesse um dia após o outro. Mas sim, dia sim e dia não. Observação na prática consciente. A prova disso é quando eu pensava que estava na noite de segunda feira, na verdade eu já estava na primeira hora do dia seguinte. Exemplo: na segunda eu andava de um lado para o outro, pulava a terça-feira e ia direto para quarta-feira e assim sucessivamente. Por isso, a minha primeira sensação consciente do querer pensar do porque eu estava adentro não foi muito confortável, pois senti que o tempo escapava por entre meus dedos totalmente extático e inseguro, principalmente, pelas cobranças externas e mal formuladas. E em seguida a calmaria que se arrastou por um bom tempo. E creio que intencionalmente, para que num futuro próximo, num “start” superficial eu fosse a sua procura por livre e espontânea vontade da curiosidade do saber analisar e compreender para aprender a conviver com as diferenças e as várias formas do saber. Saber porquê temer, chorar, gritar, brigar e invejar , entre outras coisas . E com tudo isso conquistei a minha permanência nessa ampulheta que fazia com que na maior parte do dia, para todo canto que eu olhasse, tocasse, ouvisse, cheirasse ou falasse, parecia que estava olhando para dentro de mim e vendo em detalhes as codificações dos sentidos chegando ao cérebro e retornando já descodificadas e ampliando significativamente meu raciocínio. Fazendo assim com que eu começasse a escrever poemas e textos que constituem toda a sistemática psíquica do ser humano. Mas só hoje nessa terça-feira dia ,27 de abril de 2010 foi que vim ter consciência plena do porque adquiri essa vontade de escrever . E se isso for eu estar no mundo da lua para as pessoas que eu conheço, é lá que gostaria de permanecer por mais tempo, pois tudo que escrevo, leio e releio, várias vezes, para verificar e ter a certeza de que não há nem um fio solto. Quando retransmitido para mim mesmo ou para outra pessoa aja segurança mais que suficiente para minha auto-analise e, conseqüentemente, para uma ajuda satisfatória ao próximo. Tudo que escrevo eu faço o possível para por em prática no meu dia a dia comigo mesmo e com as outras pessoas. E estou sempre há me auto vigiar para não ser um hipócrita.


A ampulheta na qual estou me beneficia e me vicio ao mesmo tempo. E aí quando o vício fica mais visível ( não primeiramente por meus olhos), mais por aqueles que convivem comigo.


- Eles dizem!!


-Flávio, isso não vai te dar trabalho e dinheiro. Ao ouvir isso eu me sinto limitado.


( É ou não é irônico? ) Pois é ai que eu vejo o quanto eu amaria viver no mundo em que o dinheiro não fosse importante para a sobrevivência humana, pois só assim todos teriam uma ocupação e cada um exercendo as suas profissões de forma digna e definitivamente alimentados por uma sede de igualdade sem igual. Desta forma eu permaneceria mais tempo na lua e não me sentiria limitado ao pedirem que eu parasse de viajar para ganhar algo tão importante, mais ao mesmo tempo, quase que indigesto para uma boa convivência entre sociedades.


O dinheiro é na maioria das vezes o precursor de muita discórdia, e em morte moral e de falência espiritual. A sociedade aparentará mais evoluída significativamente quando as pessoas se conscientizarem que a propagação da violência e do suposto poder do dinheiro, não seja maior do que as atitudes que são consideradas como virtudes e benéficas, não só para si, mas para o todo. Ser rico financeiramente falando não é ruim; Ruim é o mal uso que a maioria dos ricos faz daquilo que lhe provêm e poderia prover de um usofruto dos menos favorecidos e roubados por aqueles, que por uma suposta lei, deveriam honrar pela dignidade na vivência pessoal e interpessoal de todos, sem preferências e restrições.



Flávio Roberto Sobral Delgado